quinta-feira, dezembro 27, 2007

Noite de Natal

«Mais la plus belle de toutes les étoiles, maîtresse, c’est la nôtre, c’est l’Étoile du Berger, qui nous éclaire à l’aube, quand nous sortons le troupeau, et aussi le soir, quand nous le rentrons. Nous la nommons encore Maguelone, la belle Maguelone qui court après Pierre de Provence (Saturne) et se marie avec lui tous les sept ans.

– Comment ! berger, il y a donc des mariages d’étoiles?

– Mais oui, maîtresse.»

Alphonse Daudet




– Sozinha aqui na fogueira? A matar saudades, ou quê?

– Nada disso. Estava a ver se lobrigava daqui a Estrela Polar…

– Cuidado, prima! «Nã fiar no céu estrelado, quando o grelo sai do nabo!» Nã conhece este provérbio?


Não conhecia não senhor. E ele tinha a razão consigo, que a chuva não se fez esperar no dia a seguir.


O Leonel é o guardião da fogueira.

Ele a acende todos os anos para a Consoada e cuida por que não esmoreça, arrastando com uma grande forquilha aqueles toros e raízes enormes que lhe mantêm o coração de brasa, apesar da chuva. Os ajudantes variam, ausentes os homens mais velhos que já não tornam, ou os mais novos que demandaram outros fogos mais longe, nem sempre presentes.

O Leonel é o mais novo dos primos – da nossa geração – que partilham desde há décadas o calor e a harmonia desta labareda em cada Natal.

Ribatejano dos quatro costados, de poucas falas, amigo, ele conhece as saudades de todos os que se rolam à fogueira e param o olhar nas chamas, os clarões de fogo que trazem os rostos de outros natais. Nós nos confessamos a ela e ele conversa com a fogueira. Pelo menos assim parece.


Da geração que se segue para manter a tradição, os sorrisos que nos dão alegria.

E a mais nova é a filha do Leonel.


8 comentários:

Sant'Ana disse...

Sería tão bom que o Leonel mantivesse a tradição da fogueira.Pelo menos durante tanto tempo quanto aquele em que as estrelas se casam.

Rafael disse...

Pelo visto seu natal foi muito bom.
Desejei ter participado desses momentos de felicidades.

Rafael disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
mena m. disse...

Que bela fogueira! Que belas tradições!
Seria de facto uma pena se se perdessem...

Tudo de bom para o Novo Ano!
Um beijinho

mena m. disse...

Linda também esta história da "Étoile du Berger" - Vénus- e Saturno!
Teremos casamento no novo ano?

rui disse...

Olá Jawaa

Aqui, senti os bons costumes da tradição e, o salutar convívio familiar, nesta época natalicia.
Adoro viver estes ambientes.

Minha amiga, que o Novo Ano seja generoso na concretização de muitos dos teus desejos.

Grande Abraço

herético disse...

Os melhores votos de Bom Ano!

gostei do "calorzinho" do post.

Quem Não Tem Cão disse...

O calor que brota daquelas chamas vai directamente aos corações de quem a contempla. Em silencio, cada um por si, vive o natal à sua maneira, ao seu tempo. Hoje, só a fogueira é a mesma. Mesmo assim, todos os anos "acontece Natal", porque não sabemos viver sem este calor.
Beijos com um Pingo de saudade dos natais de outrora mas mesmo assim feliz.
Seu Pingo