sexta-feira, maio 18, 2007

Força da Natureza

Vem aos meus sonhos,

faz em mim a tua casa.

Planta em frente, a cerejeira dos

pássaros brancos,

deixa que eles pousem nos ramos e cantem

eternamente,

deixa que nas suas asas de luz eu leia o meu

nome

antes de os relâmpagos acenderem os prados.


Vem aos meus sonhos,

vê os labirintos por onde me perco,

vê os meus países do mar,

vê em cada barco que parte do meu coração,

as viagens que não fiz,

os amores que não tive,

a lua cruel da minha solidão.

José Agostinho Baptista



Os choupos tomaram conta dos campos na sua ânsia reprodutora. No céu revolteiam miríades de flocos contra o azul intenso, enfeitam de arminho as roupagens de pessoas e plantas, cobrem o chão ainda húmido. Bonito de ver, menos de sentir, que entram pelas narinas e por todas as frestas da casa, rastejam para os cantos, para debaixo dos móveis, aderem aos tapetes.

Não resisto a contemplá-los, longamente, através das vidraças.

A minha primavera africana era em Setembro, quando chegavam as primeiras chuvas ao planalto, depois do cacimbo ardente e frio que se arrastava desde Maio. O início das chuvas era o renascer da vida por nove luas de calor e humidade. Fazia-se anunciar por castelos de nimbos crescendo cinzentos, num rugir de longe, caminhando sobre nós e desfazendo-se em bátegas de água poderosíssimas a que nenhuma gabardine ou chapéu-de-chuva fazia frente. A solução era parar, resguardar-se e aguardar que o sol anunciasse o caminho livre.

E era então que do chão subia aquele aroma quente, doce, vivificante, aquele cheiro a terra molhada, os carros, o asfalto, as folhas das árvores brilhantes em reverberações de luz; no céu, a chuva indo, no esplendor do (quantas vezes duplo) arco-íris.

Nos campos, na anhara a esverdecer de capim novo, cresciam os tortulhos e amaduravam os loengos. Então, pelo entardecer, também os morros de salalé, fortalezas áridas e mudas de térmitas, acordavam da sua letargia e delas se evolavam nuvens de formigas aladas, aos milhares, – povoando o céu de andorinhas e morcegos – subindo desajeitadamente com as suas asas enormes pelo tempo possível de voo. Porque, assim que tocavam no chão, logo as perdiam.

A globalização não faz sentido, é contra natura. Só a informação pode ser global, o conhecimento partilhado a todos os níveis, com respeito pela idiossincrasia dos povos, estes, sim, condicionados sempre pela força da natureza.

6 comentários:

veritas disse...

E a força da natureza reside nas tuas magníficas memórias...

Bjs. Bom fim-de-semana.

Isabel disse...

Sabes tu és uma força da natureza e uma surpresa constante.

Tens duas coisas que admiro muito:
Garra
e inteligência

Só a informação pode ser global, o conhecimento partilhado a todos os níveis, com respeito pela idiossincrasia dos povos, estes, sim, condicionados sempre pela força da natureza.

Além do respeito pela idiossincrasia dos povos tenho um enorme respeito por ti e pela força da natureza e ser inteligente e pensante que revelas ser.

Parabéns.

Um grande abraço.

Isabel

naturalissima disse...

Amo quando falas de Àfrica... levas-me a viajar pela tua mão... lembranças que tenho de Moçambique.

Mas terminas em grande quando tocas no dilema da Globalização! Ela é contra natura, sem dúvida...
"...Só a informação pode ser global, o conhecimento partilhado a todos os níveis, com respeito pela idiossincrasia dos povos, estes, sim, condicionados sempre pela força da natureza."

Desejo-te um excelente fim de semana
Daniela

o alquimista disse...

Estive em africa 11 anos fizeste-me sentir os aromas da selva...


Os teus pés são navegantes na espuma, o teu cabelo dança em descuidada ironia, suave viagem de ondulante onda em tua boca, duas sílabas sopradas em mágica melodia…

Bom domingo

Doce beijo

Gilberto disse...

Terá acontecido assim para os lados do Egípto: Moisés, por inspiraçao divina libertou o Povo de Deus, escravizado pelo Faraó. Esta passagem da escravatura à liberdade para o povo Hebreu também foi e é Pascoa.

Beijinho

Betty Branco Martins disse...

Querida jawaa

É uma força da natureza________escrever assim___________atrvés das tuas palavras ______tudo se sente_________tudo aflora aos sentidos

Beijinhos
BSemana