segunda-feira, maio 25, 2009

Consciência


Sonhar que sonho, agora?

Tempo já sem amor,

Ou dele envergonhado,

Tudo é pecado,

Mesmo imaginar.

A vida insiste

Mas a hora é triste.

Crepuscular,

Cansada,

A durar por durar,

Apenas mede

Esta desgraça

Humana,

Baça,

Quotidiana,

De quem da própria sombra se despede.

Miguel Torga




Assalta-me cada vez mais frequentemente o desejo fugaz de pegar o fio de Ariadne e caminhar ao encontro de espaços e tempos percorridos no labirinto da vida. Parar numa curva da estrada batida, naquela ponte em que o rio levou o tabuleiro na grande chuvada da noite, naquela pedra lunar pregada no alto da serra a ver das perdizes coloridas e das galinhas do mato pintadas.

Parar e olhar para o futuro, sem provar a água do Bengo ou escutar de Coimbra o canto.

Parar apenas e sentir o latejar da terra, ouvir os sinais de mim e habitar o mundo. Com determinação, agarrar o medo e concretizar os devaneios afinal pousados na minha mão como uma dádiva, um dom, uma bem-aventurança. Guardar os sonhos de olhos abertos e não os que assaltam as noites, algures num lugar, na cidade ou no campo, numa gare, comboios passando, comboios perdidos, autocarros em sentido inverso, alguém falando, comunicando, a noite caindo devagar e eu só. É tarde, procuro um transporte, regressar a casa porque estou longe, muito longe e é preciso ir. Há desassossego, ansiedade; não choro ou desespero. Nada disso. Há gente que não me diz nada mas que me fala, me atende, me recebe. Eu olho e não fico. Volto a sair. Quase sempre ao anoitecer, sinto o dia a terminar e a inquietude aumenta.

Os sonhos da noite pesam como no tempo real e raramente perduram na memória quando não magoados, quando não repetidos. Acordar é sempre pousar de um voo, sacudir as penas e procurar a sobrevivência, a inserção no ciclo da vida. Um elo na cadeia. Nem melhor, nem pior. De preferência, consciente.


4 comentários:

Justine disse...

Chamemos-lhes então devaneios. Mas sigamo-los, sempre. Se possível, conscientemente...

heretico disse...

viagens à volta do quarto...
intimas. e sempre diversas.
gostei. muito.

beijos

Licínia Quitério disse...

"ouvir os sinais de mim e habitar o mundo" - muitas vezes somos desatentos aos sinais ou não os queremos entender. Pegar no fio é uma decisão que pode mudar tudo. Por isso o medo supera o desejo.
Isto sou eu em "filosofar barato", porque o teu texto foi a tentação.

Um beijo.

Rocha de Sousa disse...

«Caminhar ao enconto de espaços e tempos percorridos no labirinto da
vida» é talvez um sinal indicador
dos sonhos quer perduram, com mágoa
ou sem ela, ao acordar para a cons-
ciência. Há tempos, a montante, a que gostariamos de retornar: justa-
mente para sobreviver, ser ali de novo, de «preferência» em estado
consciente. Há rostos e lugares e afectos que parecem perder-se no medo do labirinto,entre palavras ausentes e silêncios ensurdecedo- res. Dói mesmo.