sexta-feira, fevereiro 23, 2007

Zeca Afonso


Olha o sol que vai nascendo…

Anda ver o mar!

Os meninos vão correndo, ver o sol chegar…

Ver o sol chegar!

Menino sem condição, irmão de todos os nus,

Tira os olhos do chão, vem ver a luz!

Menino do mal trajar, um novo dia lá vem

Só quem souber cantar, virá também.

Negro, bairro negro

Bairro negro…

Onde não há pão, não há sossego…

Menino pobre o teu lar

Queira ou não queira o papão,

Há-de um dia cantar, esta canção:

Olha o sol que vai nascendo…

Anda ver o mar!

Os meninos vão correndo, ver o sol chegar…

Ver o sol chegar!

Se até dá gosto cantar, se toda a terra sorri,

Quem te não há-de amar, menino a ti…

Se não é fúria a razão, se toda a gente quiser

Um dia hás-de aprender, haja o que houver

Negro, bairro negro

Bairro negro…

Onde não há pão, não há sossego…

Menino pobre o teu lar, queira ou não queira o papão,

Há-de um dia cantar, esta canção:

Olha o sol que vai nascendo…

Anda ver o mar!

Os meninos vão correndo, ver o sol chegar…

Ver o sol chegar…

Ver o sol chegar…!


5 comentários:

Phwo disse...

Olá Jawaa
Por fim chego para escrever e desculpar-me por, daquela vez, não ter deixado assinalada a minha presença no post em que escreveras para mim.
Como deves saber, tentei e escrevi-te um sentido e longo texto. Mas em Angola a net, como muitas outras coisas (até mais importantes) falha; e perdi o texto numa quebra de energia.
Viajei, fiquei e voltei.
Um abraço para ti a lembrar os tempos (coloniais) em que em minha casa se ouvia o Zeca Afonso, o Pe. Fanhais o Adriano C. de Oliveira, o J. Mário Branco, entre outros, com a recomendação do meu pai: não falar na escola das músicas (e de outras conversas) que se ouviam em casa.

dakidali disse...

Zeca sempre.
Beijinhos

Ana B. disse...

Zeca Sempre!
Bj

vida de vidro disse...

Que a sua memória e a sua música perdurem sempre! **

naturalissima disse...

Um grande homem que marcou não só a história da música de um povo, de uma cultura, como também um lutador pelos direitos humanos.
Em Maputo, Moçambique, tive o privilégio de o vêr cantar numa das suas actuações.