segunda-feira, março 16, 2015

RECOMEÇAR

Eu sei, é preciso esquecer,
desenterrar os nossos mortos e voltar a enterrá-los,
os nossos mortos anseiam por morrer
e só a nossa dor pode matá-los.

Tanta memória! O frenesim
escuro das suas palavras comendo-me a boca,
a minha voz numerosa e rouca
de todos eles desprendendo-se de mim.

Porém como esquecer? Com que palavras e sem que palavras?
Tudo isto (eu sei) é antigo e repetido; fez-se tarde
no que pode ser dito. Onde estavas
quando chamei por ti, literalidade?

E todavia em certos dias materiais
quase posso tocar os meus sentidos,
tão perto estou, e morrer nos meus sentidos,
os meus sentidos sentindo-me com mãos primeiras, terminais.
Manuel António Pina


Os dias arrastam-se pesados, mas eis que chega o equinócio da primavera a lembrar que a natureza continua a celebrar a vida, a vida em constante renovação, alheia aos sinais de decrepitude que os homens insistem em celebrar. É certo que os humanos morrem vitimados pela idade, pelas doenças e pela fome que a fartura de poucos produz; mas é certo também que os outros seres da natureza seguem o mesmo percurso inexorável de renovação da vida sem a angústia de Sísifo.

Hoje quero celebrar a vida deste espaço que teve início aqui, vai quase uma década. Foi uma tarefa sugerida num tempo em que foi preciso ajuda para não soçobrar, foi uma tarefa nem sempre fácil mas certamente de fruição plena. À medida que os anos foram passando, o espaço de libertação foi encontrando fronteiras e caminhos fechados, por vezes encruzilhadas onde era difícil escolher sem bússola, e o cansaço a pouco e pouco foi deixando marcas. A exemplo de outros, tempo de fechar a casa.

Porém não sou capaz. Foram muitas as alegrias partilhadas, foi muita entrega, foi o tirocínio para publicação de um livro, para outras escritas que me roubam o tempo para este espaço, para pensar numa renovação. Mas é tudo uma questão de método para gerir as horas de insónia e de lazer, é apenas querer. Estes nove anos completados deram frutos dentro de mim enquanto semeava pedaços de vida que ninguém queria ouvir, pedaços soltos de lava em que estava atolada. Ficou a cratera e bem no fundo a lava ainda arde, mas repousada.

Olho-me ao espelho e o meu retrato mudou. Pintei-me de branco, das tantas vezes que saltei o oceano para travar conhecimento com mais um continente onde mantenho aquele pedaço de mim que refiro no primeiro post, onde encontrei Mr. Binx menino e mimado, o Mr. Binx promovido a Lord a quem presto homenagem no último post. Pintei-me de branco e risquei-me de rugas com os amores, os afectos mais perto que hoje me acrescentam, me ocupam os dias que restam.

A nossa hora de verão está a chegar, já os campos se cobrem de amarelo e branco e as mimosas alegram as estradas, nos jardins florescem os jacintos odorosos, os narcisos, as prímulas, os amores-perfeitos. Este ano temos um eclipse solar: pode ser, como criam os antigos, que seja uma mensagem dos deuses.

Vou tentar regressar ao meu espaço com passos mais certos, reciclar leituras, esquecer aqui o desencanto pelos figurantes da política do nosso país bonito, manchado de cinismo, hipocrisia e indignidade. 

 

3 comentários:

heretico disse...

um belo, delicado e sensível texto, cujo prazer de leitura e associa o prazer pessoal de saber-te de regresso.

beijo

ograpiuna disse...

Amiga, saiba com toda certeza que teu blog faz bem não só a você. Nem sempre que venho aqui, faço me notado; mas toda vez que venho levo um ou outro contentamento.
Tenha certeza que a primavera logo logo chegará e o verão assim por diante. Também teu país não sofre sozinho nas mãos dos homens maus, meu Brasi fez me um cidadão pouco ufanista.

Celebremos sim com alegria teu espaço que de alguma forma e de muitos também, para mim as vezes é uma locomotiva endereçada a um mundo mágico, outras duas asas que voam comigo a lugares imagináveis.

Sem mais delongas, imagine sendo abraçada com afeto fraternal. \0/

Rocha de Sousa disse...

Não consegui ler este seu texto de tristeza, memória e ressurgimento. Pela data não sei onde está nem se aquele belo propósito a ressuscita para nós, seus amigos, e para mim, cortado ao meio, sempre religando o livro de que nos fala a outros de que falámos, com a beleza tolerante das suas palavras.
Diga-me como nos havemos de reabilitar o nosso aquém.

João